quarta-feira, 2 de março de 2011

Longe

Deito-me para a pior noite da vida.
- ou seria melhor chamá-la "a noite da vida"?

Até a chuva, minha melhor e maior amante, tornou-se monótona agora.

O destino resume-se a quantas vezes a rede vai me aguentar ouvindo a água bater, bater e bater na areia.
Pela primeira vez, não tenho medo nem da solidão no escuro.

Agora só tenho medo e a companhia da saudade.
- cadê você?

Um comentário:

  1. lembrei daquela música do lobão, aquela lá...


    bonito, ka!!

    ResponderExcluir